Cigarro

fumaca-cigarro

A que ponto meu Deus?!
A que ponto pude chegar?

Cresceu, em mim, um coração!
Feito apenas de sentimentos
Que em todas as noite quase morre de Desejos.

Ao provar tantas Saudades
De noites em abraços
Sentindo o cheiro do seu cigarro

Anúncios

Apesar de Você

Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão
A minha gente hoje anda
Falando de lado
E olhando pro chão, viu

Você que inventou esse estado
E inventou de inventar
Toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar
O perdão

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Eu pergunto a você
Onde vai se esconder
Da enorme euforia
Como vai proibir
Quando o galo insistir
Em cantar
Água nova brotando
E a gente se amando
Sem parar

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros, juro
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Este samba no escuro

Você que inventou a tristeza
Ora, tenha a fineza
De desinventar
Você vai pagar e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Inda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria
Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
Que esse dia há de vir
Antes do que você pensa

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai se explicar
Vendo o céu clarear
De repente, impunemente
Como vai abafar
Nosso coro a cantar
Na sua frente

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai se dar mal
Etc. e tal
Lá lá lá lá laiá

A Rua dos Cataventos

images (8)

Da vez primeira em que me assassinaram,
Perdi um jeito de sorrir que eu tinha.
Depois, a cada vez que me mataram,
Foram levando qualquer coisa minha.

Hoje, dos meu cadáveres eu sou
O mais desnudo, o que não tem mais nada.
Arde um toco de Vela amarelada,
Como único bem que me ficou.

Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada!
Pois dessa mão avaramente adunca
Não haverão de arrancar a luz sagrada!

Aves da noite! Asas do horror! Voejai!
Que a luz trêmula e triste como um ai,
A luz de um morto não se apaga nunca!

Quintana ~~

Hobbie


Eu sempre chego por volta das 9:30 da noite. As crianças em geral estão sempre brincando no chão da sala ou assistindo televisão, essas porcarias do YouTube podem hipnotizar seus filhos por horas a fio. Não que isso seja um problema, na maioria das vezes é a solução.

A Tamara consegue garantir todos os dias que a comida esteja bem fresca para o momento que eu chego. Uma mulher incrível! Lava, passa, cozinha, cuida dos pirralhos. Não é nada além de sua obrigação, mas isso não muda o fato de ela ser incrível, eu mesmo não trocaria um dia de escritório por essa rotina. Ser condicionado a se relacionar com os programas de bem estar pela manhã, os utensílios domésticos e seus produtos de limpeza a tarde, a novela e o fogão no começo da noite e por fim ter apenas duas crianças com menos de 13 anos para poder conversar. Eu ficaria louco no primeiro dia. Ainda com tudo isso ela nunca deixou, nos 7 anos que temos de casamento, uma noite se quer sem ter fogo por mim.

Boa noite princesa. Eu entrego uma rosa com um botão enorme aberto.Como foi seu dia?

Ela suspira e me beija como se não houvesse amanha. Porém os lábios molhados, doces e delicados encontram um pedaço de carne fino e seco que é a minha boca. Eu não sinto o mesmo entusiasmo que ela. Pra falar a verdade, eu não sinto nada por nada aqui.

Após o jantar, me isolo na sala de leitura. Ligo meu Notebook e finjo que estou trabalhando. Enquanto isso ela fica brincando com as crianças, tentando gastar tempo esperando que eu me decida subir para dormir. É algo lastimável. Eu querendo que ela suba sem mim e ela esperando para subir comigo. Minha cabeça começa a doer, lembro de todas as problemáticas que precisarei resolver no escritório. Lembro que preciso ficar esperto para receber a conta do cartão de crédito antes que ela consiga pegar primeiro. São tantas coisas.

Amor. Vou sair para dar uma volta e esfriar a cabeça. Digo isso enquanto vou em direção a porta. Mas a essa hora? Toda sexta feira vai fazer isso agora? É bem claro a expressão de preocupação no rosto branco e delicado dela. Talvez tenha medo que eu esteja tendo um caso e acabe perdendo tudo que ela tem de bom na vida para outra mulher. Ou talvez esteja preocupada com a minha segurança. Pode ser um pouco dos dois, ou muito de ambos. Não devo demorar. Fecho a porta logo ao terminar a frase, sem chances para uma tréplica.

Na garagem encontro o meu fiel companheiro. Um Honda CR-V totalmente negro. Ele tem o tamanho e a força de um rinoceronte e sentir o couro gelado do banco e o perfume fresco de um carro recém lavado não tem preço. Quando giro a chave no comando escuto seu roncar sério e preparado, isso faz os pelos dos meus braços se atiçarem.

São cerca de 23:14 da noite, eu ando pelas ruas com o farol baixo para não chamar muita atenção. Passo 20 minutos procurando de esquina em esquina. Esse carro tem potência, alcança velocidades incríveis em pouco tempo, mas agora eu dirijo a 10 ou 15 km por hora. Devagar e quieto, como um predador no meio da selva escura de concreto. Mais 15 minutos rondando entre ruas e vielas eu encontro minha presa. Usando uma saia preta bem curta com uma blusinha a mostrar o umbigo. Ela deve estar congelando lá fora, mas precisa fazer aquilo, precisa atrair alguns machos para garantir sua sobrevivência. O problema é que todo aquele brilho e maquiagem também chamou minha atenção.

Ao vê-la virando uma esquina eu desligo meus faróis. Lentamente, em ponto morto vou avançando. Quando chego na esquina engato o carro e viro, vejo-a andar rebolando se equilibrando na guia da calçada.

EU SOU UM TIGRE!

O ponteiro vai de 10km/h a 90 em instantes e no último momento eu acendo os faróis, exibindo minhas presas a infeliz criatura. Eu a acerto de lado, como um chute de trivela e assisto seu corpo girar no ar pelo retrovisor.

São meia noite e meia quando chego em casa. Verifico que não há nenhum arranhão no meu Honda. Estou ficando profissional nisso. Deixo meus sapatos na entrada ao lado da porta para não fazer barulho e acordar às crianças. Subo as escadas. A adrenalina ainda pulsa no meu corpo. Eu estou ligado a 220 e agora entendo o motivo pelo qual a cocaína gera tanto dinheiro. Ao entrar no quarto vejo Tamara adormecida na cama e por Deus, nunca senti tanto tesão por ela.

Torta

imagem-2015-12-16-14502905735049

A testa suava, escorrendo entre dobras de pele, criando um longo riacho que descia ao lado dos olhos pela bochecha, até ser sugado pelas raízes da barba espessa abaixo do queixo.

Do lado de fora do plantão de vendas a temperatura chegava a 32º Graus, isso transformava o lado de dentro num grande forno recheado de gente.

CARALHO! Eu to assando igual um Leitão nesse inferno.

O gosto de Hambúrguer com molho Billy & Jack e Cheddar do almoço ainda era quente na boca, mas logo trocou pelo sabor de uma torta branca gelada com chantili e amendoim no recheio e na borda, coberta de Chocolate em calda. A Cada pedaço colocado pra dentro deixava mais liso e engordurado o céu da boca.

A respiração estava apertada emitindo um som distinto que somente o colesterol em alta consegue fazer e com isso tinha a sensação de um Gato arranhando o caminho do nariz a garganta. Cada mastigada se tornava mais difícil.

Eu não vou desistir de você sua torta maldita!

Começou então a enfiar pedaços maiores dentro da boca para terminar com aquela peleja o mais rápido possível. Ainda tinha muita coisa pra fazer, precisava procurar e buscar novos clientes. Não que faturava mal, chegava a fazer 15 mil tranquilo ao mês, mas pra quem sonha com uma Mercedes isso não é o suficiente. Além disto, tinha os dois moleques, a esposa uma gata e dois cachorros. Ah! Havia a Sogra. Seria um clichê dizer que ele a odiava, mas a verdade é que começava a preferir a velha do que a Filha. A primeira pelo menos mantinha a comida da casa sempre fresca.

Quando terminou com a torta já estava totalmente encharcado de suor. A camisa polo colava ao corpo e abrir os botoes não aliviava a sensação de sufoco. Era desagradável e feio. Uma parte da barriga escapava por debaixo da roupa e não se deu ao trabalho de tentar levantar mais a calça para segurar um pouco da banha. Estava inchado. Talvez se não tivesse usado o ticket de desconto que dava direito a dois combos de lanches com 3 Hambúrgueres cada mais Bacon, Cheddar, batata frita e refrigerante pelo preço de um não estaria se sentindo tão inchado. Talvez não teria feito diferença alguma.

Oi! Prazer, eu sou o Gerente Fabiano. Eu preciso apenas ir ao Banheiro e já te atendo pra mostrar os apartamentos.

Sentia as axilas assadas, assim como as virilhas. A unica sensação boa em toda aquela situação molhada era de quando algumas gotas geladas de suor escorriam pelo meio da coluna até a calça. Sentia-se um pouco Gay por gostar daquilo, mas não se importava muito, ninguém poderia saber afinal.

CARALHO! Eu vou acabar morrendo por causa dessas tortas doces.

Com cinco passos cambaleados tentou se aproximar da lixeira ao lado do Banheiro.
No Primeiro Tossiu Seco
No Segundo Um Soluço
No Terceiro Sentiu uma Mão Apertar o Peito por Dentro da Carne
No Quarto Tossiu Arranhando a Garganta
No Quinto Tossiu alto Fez um som gutural que saiu de algum recando do interior de seu corpo, escorregou o pé esquerdo golpeando de lado o direito.

Caiu.