Poema nº 54

 

fogos-q2

Por: Anderson Estevan

Os fogos de artifício
Queimam
Todos os sonhos
Noturnos
Que alguém poderia
Imaginar
Em meio à escuridão
Um poema age assim
Rasgando a carne,
A carapaça etérea
Que nos faz pedaços
Retalhos mal feitos
De papel machê
Estraçalhados de pólvora
Disformes e espalhados
pela areia das horas
E o presente da manhã chega
(A manhã sempre chega)
Fazendo da palavra morta
Cinzas e restos mortais
Que um dia sumirão
Não há escapatória
Muito menos atalho
Que encontre o chão
E o imenso universo
Escondido em um grão
Pequeno pedaço de vida

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s