Pedaço de um Conto

 

 

dadada3

 

Por: Mauricio Lahan Jr

* Post meio grande.. É uma parte de um conto que estou escrevendo. Não é o começo e nem o fim, então talvez fique meio sem sentido algumas partes. Mas estou sem inspiração para criar algo novo entãaaaooo decidi dividir um pouquinho daquilo que já estava preparando. Tenham paciência.. Leiam tudo por gentileza e me digam suas opiniões sobre ~~

“- Que nova ordem é essa?
– É que nós, por assim dizer, estamos mortos, Excelência.”

Bobók, Fiódor Dostoiévski

*Ploc, Ploc, Ploc*

Esse é o barulho que seu salto faz enquanto caminha. Um passo de cada vez, firme e confiante. Sua postura é elegante, seu terninho é justo. Cabelos curtos, muito bem arrumados, lisos e presos. Seus óculos estão um pouco caídos em seu nariz, desta forma ela sempre te olha de cima para baixo, mesmo sendo uma mulher de estatura baixa sua posição permite que faça isso, afinal ela está em pé, caminhando, enquanto nós estamos aqui sentados. Sua função é simples: supervisionar nosso trabalho. Garantir que os fiéis paguem suas dívidas e ao mesmo tempo recebam um tratamento especial, para sentir que fazem parte de tudo aquilo e que o “Seu Deus” importa-se com eles.

Ninguém consegue encara-la nos olhos. Sua voz nunca tem variações de tons. Parece ser uma mulher sem dúvidas, sem medos. Dura e exigente. Tendo sempre o controle da situação em suas mãos. Dizem entre as conversas que: esta é uma mulher de poder!

– Talvez você pudesse faltar à aula em sua faculdade hoje…

Ela cochicha isso em meu ouvido. Claro que todos pensam que é apenas mais um “puxão de orelha”, afinal ela tem uma imagem a preservar.

Uma mulher poderosa… Firme e confiante.

Uma mulher frágil… Mas isso ninguém sabe.

– Vem… Me abraça… Me segura forte.

Ela está ofegante. Seu coração acelerado.

– Me beija… Assim… Isso…

Eu gosto de estar por cima. Parece que assim ela se sente protegida. Aqui, neste quarto, ela pode ser frágil. Os óculos jogados ao pé da cama, o cabelo bagunçado e solto, seus olhos revirando enquanto suas unhas gravam linhas avermelhadas em minhas costas. E suas pernas, tão firmes em seu caminhar, agora se estremecem.

Depois de meia hora olhando para o espelho de teto pensando em todos os clientes dos últimos dias, em todas as negociações bem feitas e não feitas, somando números para tentar calcular a porcentagem de bônus que ganharei no final do mês, decido me levantar, tomar uma última ducha, pegar minhas coisas e ir embora.

Uma hora mais tarde uma mulher vai acordar sozinha numa cama de Motel. Ela vai acender um cigarro e sorrir aparentemente sem motivos. Vai prender seus cabelos, abotoar seu terninho, ajustar sua saia, deslizar sua meia-fina e encaixar seus sapatos de salto. Por fim vai se olhar no espelho, colocar seus óculos e sentir novamente o prazer de vestir uma mascara falsa em sua personalidade.

Uma mulher frágil vai sair por esta porta, em mais ou menos duas horas, com uma postura ereta, de passos firmes, olhando para a moça da recepção de cima para baixo.

No fundo pouco me importa o que pode acontecer depois. Às vezes não sei por qual motivo ainda mantenho uma relação com ela. Talvez, tente preencher algum lugar vazio dentro de mim.

Advertisements

16 responses to “Pedaço de um Conto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s