Homem invisível

post-inv-g

Por Anderson Estevan – Texto publicado também em Outras Estórias

O homem invisível caminhava, lento, vagaroso, esquivo. Quase arrastava-se, com medo de que quando alguém lhe tocasse, num grito, toda a sua invisibilidade pudesse desaparecer, transformada num rompante em violência gratuita.

O homem invisível tinha muita fome, mas não podia comprar nada, pois não podia conseguir um trabalho, afinal, ninguém poderia contratar alguém que não poderia ser visto.

Pensou em pedir algum dinheiro, pois a sua voz poderia ser ouvida, mas também não obteve o resultado que gostaria. A maioria não o escutou, estavam inebriados em seus fones de ouvido e conversas cotidianas. Outros assustavam-se com o som da voz do homem invisível e corriam, desconcertados, com lagrimas nos olhos.  Um terceiro tipo, raro, podia escutá-lo perfeitamente, mesmo sem vê-lo, deixavam algumas moedas no chão e seguiam seu caminho.

Porém, invisível, como era o homem não conseguia comprar nada. Quem venderia para alguém invisível? No seu tempo livre, que era todo o tempo possível, homem invisível gostava de caminhar pelos viadutos da cidade. Não havia nada mais bonito, ao menos ao homem invisível, do que o colorido dos grafites que rompiam o cinza da cidade. Assim como ele, os grafites também eram invisíveis.

Assim passaram-se estações. E, com um estalo mental, o homem invisível descobriu como poderia ser visto. Bastou um salto, um movimento, calculado a exaustão, para que todos o enxergassem.

Um dia, estatelado, o homem invisível jazia, morto, em uma poça de sangue rubra em uma dessas avenidas em que adorava caminhar. Sob os olhares das pinturas urbanas, o homem invisível, magicamente pôde ser visto, não em sua completude, mas parcialmente, miserável e com os pés descalços.

Atrapalhando o tráfego, como o operário de Chico Buarque, o homem, apenas homem, quebrou a sua mais intensa maldição, morrendo diante de toda glória que poderia ter, notado em uma segunda-feira de janeiro.

Advertisements

7 responses to “Homem invisível

  1. Texto simples e fantástico!!! O problema da invisibilidade que afeta seres que nem humanos são considerados… E os visíveis egoístas dessa geração que não sente dor.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s