FORA TEMER! E depois?

temer-1439064.jpg

Primeiramente Fora Temer!

Em segundo geralmente está o Aecin.

Em terceiro vamos ao tema do post.
Nos últimos tempos a política brasileira na internet produziu 3 grandes massas de Escândalos, Textões e Memes. De certo o que ficou bem claro é que com todas as nossas diferenças ainda sim a população brasileira concorda que nosso presidente ou deve sair ou não deve ficar. Mas, se há uma insatisfação generalizada com a política nacional além de inúmeras denuncias e processos voltados contra Temer neste governo, por que então ele ainda se mantém no poder?

Muito provavelmente por termos uma cultura de organização político-social fragilizada. Nós temos a consciência – até mesmo por que sentimos “na pele” –  que nosso modelo político é totalmente deteriorado. Porém, numa escala de grande massa, não temos a bagagem ideológica ou teórica para criticar e, o mais importante, projetar um novo modelo que atenda nossas necessidades como sociedade. Assim nossa população consegue criar um movimento de luta contra a má gestão política mas não tem força de movimento para se organizar e criar um projeto de nação.

Nós não debatemos Metas!

Veja, hoje a sociedade brasileira não tem de forma clara e palpável nossas metas como nação. Qual é o plano nacional para a Educação até 2024? O que queremos alcançar até 2030 com a Saúde publica? O que esperamos sobre o índice de casa própria por pessoa até 2026?

Dormimos e acordamos todos os dias olhando para os jornais esperando que o Dólar caia e a Bolsa suba e resumimos todos os problemas nacionais focados numa formula econômica simples, que em muito pouco representa e expressa a real situação do país.

Além de lutar e combater os problemas politicos nas redes sociais ou nas ruas nós temos de ir além e tomar um passo mais a frente. Devemos começar a desenvolver uma politica que possa respeitar nossa opinião e ideias. Enquanto deixarmos que Eles pensem por nós nunca teremos um modelo político saudável e de qualidade.

Temos de mudar nossa forma de pensar e deixar de lado a ideia de que Basta votar e a partir disto nossos políticos devem pensar por nós. Eles devem levar ao debate nossas opiniões e desejos e não tomar toda e qualquer decisão sem realmente levar em conta nossa opinião. Precisamos vivenciar e participar mais de nossa política nacional.

Hoje o nosso cenário nacional se encontra num momento muitíssimo frágil. Pois nós queremos derrubar um presidente mas não temos clareza em quem colocar no lugar – não vou ignorar aqui o favoritismo de Lula, mas o mesmo está sujeito a qualquer momento em se tornar ilegível como opção. Assim sendo precisamos para de esperar para ver o que vai acontecer, tomar decisões precipitadas, tal como apoiar a queda de Dilma, sem olhar para consequências, já que a aprovação de Temer é menor do que o da Ex-presidenta – sem levar em conta no fato de votar em Dilma sem se preocupar com ter Temer de Vice.

Precisamos urgentemente parar de criar guerras mesquinhas, cair na sedução do atraente comportamento de criticar tudo e a todos sem nenhum tipo de reflexão e de divinizar figuras políticas ou partidos. Precisamos discutir de forma sóbria nossos problemas sociais, nos identificar como sociedade, como um único organismo vivo e precisamos urgentemente criar um modelo de projeto de nação com metas claras do que desejamos para os próximos anos.

Se tivermos claro isso, logo não teremos dúvidas de como moldar e escolher os rumos de nossa política.

Rumo.

=p=p

Eu perdi o Rumo!

Sim.. Todos os dias eu perdi meu rumo por sua causa.

Todas as vezes que você me manda mensagens com frases de efeito no meio da madrugada eu engasgo e perco o ar.

Todas as vezes em que você diz coisas que eu nunca me preparo para ouvir, automaticamente se forma um sorriso bobo no meu rosto.

Sempre que o telefone toca, e vejo seu numero na tela do celular, é como se uma injeção de adrenalina me fosse injetada diretamente no peito.

Sempre que escuto o som da sua risada arranhada – ahhh esse riso engasgado – eu subo até as mais altas nuvens de tão doce som que sua voz possui.

E como é bom passar eternos momentos imaginando o aroma do seu perfume… O gosto da sua boca… O sabor da pele de seu corpo.

Não há um dia que não me perco em mim mesmo pensando em você.

A Necessidade de Ser Necessário

caranguejo

Câncer!

Está aí o melhor signo do Zodíaco. Por uma certa coincidência esse também é meu signo. Sorte a minha não? Talvez.

Em um tempo recente estive tendo uma conversa com uma pessoa muito especial sobre signos. Ela de Aquário, representando um bom pedaço do inferno no meu universo, e eu Canceriano, sendo a pessoa mais especial do cosmo.

Em nossa busca por aspectos e informações chegamos a uma ideia que ficou muito em minha cabeça. “O Canceriano tem a necessidade de ser necessário”.

Puta que pariu. Uma bendita pequena frase que me fez perder noites em devaneios. Sim, acredito que nós cancerianos mais do que qualquer outro signo, sinta a necessidade de ser necessário.

Porém não acredito que em toda a criação essa dádiva tenha sido oferecida apenas para os filhos de Julho. Tenho absoluta certeza que todos nós, em maior ou menor nível, sentimos a necessidade de sermos necessários para algo ou alguém.

E cara… Isso é foda.

Quando sinto que não sou necessário bate uma bad como se me tornasse uma figura simplesmente figurativa onde na qual sou indiferente para aquilo ou aquela pessoa. Talvez seja nisto que está o segredo daquelas pessoas que são atraídas apenas por pessoas que as desprezam.

Talvez seja algo natural do ser humano saciar esse desejo de ser necessário. Essa ideia é assustadora, pois nos direciona a uma linha de pensamento onde fazemos algo por alguém para que possamos alimentar tal sentimento e justificar nossa importância e valor.

Percebi que esse é um ponto alto de desequilíbrio meu, pois não necessariamente preciso ser altamente necessário na vida de alguém para que eu possa ter algum valor ou para que alguém possa sentir apreço por mim. Chega a ser triste como é ruim se  sentir indiferente e desnecessário simplesmente por que alguém não faz tanta questão sobre você.

Será que eu considero todas as pessoas ao meu redor necessárias? E será que alguém espera que eu a considere necessária?

Não sei. Mas acredito que o melhor é deixar de lado a preocupação em ser necessário. Isso se torna quase um vicio! Afinal, se você por acaso algum dia precisar viajar para outro país e começar uma vida nova, ou se aquela pessoa especial estiver vivendo o mesmo exemplo como você ficaria? Vai desistir da vida e se matar? Acredito que não. Então não devemos cobrar de nós mesmo essa necessidade de sermos necessários. Devemos apenas fazer o melhor para sempre contribuir na vida dos outros e deixar que esse processo se torne algo natural e não forçado. Assim tenho certeza que poderemos criar vínculos e laços mais verdadeiros e menos egoístas.

Ainda assim… Para um Canceriano é muito difícil não ser necessário, geralmente quando isso acontece o Caranguejo se afasta e entra dentro da areia, depois dificilmente é visto novamente (:

PS: Aproveitem a foto do Caranguejo Amigo (Saudades Praia) ~~

Universo que não percebemos (2): Fazer menos do que podemos.

Heyy oohh!

Todo mundo ligado nas informações, símbolos e sinais que nosso universo nos apresenta?

No ultimo post eu comentei sobre a questão de “A Ajuda que Pedimos mas não queremos Receber”.
Hoje a ideia é trabalhar com outra forma de sinais que surgem de forma tão natural, que nos incomoda e que dificilmente queremos encarar como símbolos e avisos positivos. Tendemos sempre a ter uma impressão negativa sobre o assunto.

Fazer menos do que podemos. Acredito que a maioria das pessoas deve sentir e viver isso. Seja talvez por estarmos sempre em constante desenvolvimento e aprendendo que podemos sempre nos superar e fazer cada vez melhor.

Vou tentar como no outro texto dar um exemplo para ficar mais claro. Imagine que vc se formou na faculdade. Estudou anos e anos de sua vida. Chegou o dia em que teve em mãos seu fantástico diploma ou certificado de conclusão de seu curso. Porém você é o tipo de pessoa que não entra de cabeça na correnteza do mercado econômico e acabou escolhendo um curso mais “peculiar”. Muitas vezes acabamos não encontrando espaço dentro e fora de nós para exercer aquilo que queremos. E na maioria das vezes temos medos e receios de exercer aquilo que nos deveria ser essencial. Afinal há um motivo para ter escolhido aquilo como forma de expressão de sua funcionalidade social. Então você termina sendo uma pessoa formada em Artes, Ciências sociais, Professor(a) de Química, Escritor(a), Musico, enfim, sentado num escritório exercendo a função de assistente administrativo ou caixa e vendedor de loja de roupas no Shopping. Há algum problema em exercer tais profissões? NÃO!

O problema não está numa questão de humildade. Mas é geralmente neste momento que começa a surgir em seu universo diversas pessoas lhe dizendo coisas do tipo: mas você é muito inteligente para ser Atendente de loja ou caixa de Mc Donalds. Por qual motivo você faz serviço de diarista se já é formada em Pedagogia?

São centenas de exemplos, em vários níveis e planos da nossa vida, diferentes.

Obviamente todos esses comentários, mesmo que sem a intenção, acabam carregados de uma alta carga de preconceitos. Mas é importante tentarmos enxergar o que para nós pode ser útil ou valioso ao receber tais comentários. Por que deixamos de ser um Músico de Bar para vendermos 9 ou 10 horas de nosso dia num escritório enquanto fazemos um curso online de Administração ou TI para ganhar dinheiro, por exemplo? Obviamente por que temos interesses de consumo, preocupações e responsabilidades que necessitam ser saciadas, porém acabamos  por deixar nossas necessidades essenciais de lado muitas vezes por justamente termos medo de não conseguirmos lidar com tantas problemáticas do cotidiano.

Nossos medos são todos partes de nosso Ego. E muitas vezes quando alguém nos diz “Mas você não deveria estar fazendo isso” devemos pensar além de um preconceito social e entender que possamos estar recebendo um símbolo de nosso universo nos avisando “Você não está agindo de forma verdadeira, não está expressando seus desejos íntimos e essenciais, por que você aceita essa situação conflitante?”. Obviamente teremos muitas respostas para o nosso universo pessoal, mas isso não significa que muito dessas respostas deixam de ser apenas medos que temos. Medo de não ser o melhor naquilo que acreditamos, medo de não sermos capazes de ser aceitos na sociedade como queremos, medo de não conseguir pagar as contas ao fim do mês ou trocar de carro na virada do ano. Com isso acabamos vivendo vidas que não escolhemos e em certo momento simplesmente tudo trava em nossa cabeça um vazio preenche nossas mentes e uma simples pergunta surge “O que é que estou fazendo da minha vida?”.

Na maioria das vezes temos o Medo de nós mesmos. De não sermos capazes de fazer o melhor… De termos um futuro frustrante e arriscado. O ideal é trabalhar esse medo e tentar perceber quando o universo nos avisa que estamos tomando um caminho que não seja o de nossa Verdade.

Então antes de muitas vezes pensar “Você não sabe o que eu tenho que aguentar para estar aqui” quando imagina que alguém esteja te julgando, pense duas vezes se neste momento o seu universo não está tentando conversar com você e colocou justamente aquela pessoa para lhe provocar e instigar a pensar em por qual motivo você insiste em agir contra a sua própria verdade.

Aprenda a conversar com seu universo! Pois tudo que entra em sua vida é obra e responsabilidade de sua própria vontade.

Q.F.

Eu sou Samhain

Symbols-of-Samhain-and-Halloween

“Quando o tecido sutil que separa as dimensões se torna mais fino não se pode classificar os mundos ao nosso redor como visíveis ou invisíveis. Está noite estaremos entre o Reino dos Vivos e dos Mortos.”

Muitas tradições pagãs e antigas usavam uma ferramenta chamada Roda do Ano para se orientar entre as mudanças dos ciclos naturais ao longo do Ano. Era uma especie de calendário que marcava tais passagens para que se pudesse ter ideia de quando seria necessário caçar, plantar, colher e etc. Pode-se fazer um paralelo com os meses do ano de nosso calendário ou com a nossa percepção de Estações – Primavera, Verão, Outono e Inverno.

Para celebrar as mudanças energéticas perceptíveis da Terra e assim se manterem em maior conexão com seus Deuses, os antigos começaram a ritualizar tais momentos de transição em 8 grandes festivais realizados nos Equinócios e Solstícios que são chamados de Sabbats.

Samhain é o primeiro Sabbat da Roda do Ano. Ele marca o incio do calendário dessas culturas antigas. Seu ideal é trazer o intuito de resguardo e preparação. Ele representa o momento da ultima colheita do ano antes do Inverno, é o ponto alto e forte do Outono.

Por isso quando ainda se celebra tal festividade nos dias atuais tentamos nos conectar com uma energia de preparação e introspecção.

Para o nosso universo pessoal esse momento deve ser resguardado para uma preparação interior, é o momento de pensar e se aprofundar pelo que passamos no restante do ano e já imaginar e separar quais sementes iremos plantar quando o próximo Inverno acabar.

Elementalmente falando é o Sabbat com a maior carga energética do Elemento Terra. Logo é um momento para finalizar e materializar aquilo que estava se desenvolvendo em outros momentos do ano.

Este Sabbat como é ligado ao fim – do ultimo ano – e recomeço – do novo ano – é também o momento astral onde o tecido que separa os mundos fica mais fino. É quando o universo da carne e o plano astral acaba praticamente se misturando e logo nossa intuição e percepção se tornam mais aflorada. Por tal motivo esse é um bom momento para fazer conexões com suas forças ancestrais, contato com os mortos, experimentar magias de Oráculo e todo e qualquer processo de limpeza.

Samhain é o momento do ano para olharmos dentro de nós e tomarmos a decisão de Sacrificar o necessário. Por isso devemos tentar ao máximo abrir nossos olhos interiores e astrais para perceber o que neste momento se torna mais evidente e que geralmente se esconde com mais facilidade em outros momentos do ano. Olhe para si… Veja o que é necessário ser limpo, ceifado de sua vida e tenha coragem para faze-lo. Se conecte com aquilo que for essencial e verdadeiro. Prepare-se, pois logo será inverno.

É Lula lá de novo?

lula

Mais um Data Folha em que Lula Lidera nas pesquisas. Mais do que isso amplia seu favoritismo.

Agora devemos esperar que ainda esta semana saia mais uma nova ação da Lava a Jato na tentativa de prender ou inviabilizar a candidatura de Lula.
Pois me pergunto, para que tantas pesquisas um ano antes das eleições? Se não me falha a memoria já é o segundo ou terceiro Data Folha antes mesmo da metade de 2017.

Na minha visão já é certo para a população o favoritismo de Lula, ideia expressa tendo em vista o resultado das pesquisas. Favoritismo esse que só poderá ser mudado a longo prazo ou durante os debates e campanhas eleitorais de 2018. Não vejo motivos para se criar tantas pesquisas presidenciais um ano antes do período de campanhas a não ser um: Sinalizar a Oposição.

Após cada pesquisa grande que demonstra a liderança na opinião publica por Lula a oposição se movimenta de alguma forma, principalmente utilizando a Lava Jato. Não vejo mais sentido em grandes jornais como a Folha de gastar recursos extensos para criar pesquisas de três em três meses, sendo que já se tornou OBVIO a intenção publica de Voto.

Em algumas entrevistas Ciro Gomes – que também está na disputa presidencial – sinalizou que a oposição fará de tudo quanto possível para inviabilizar a campanha de Lula, deixando a ideia de que o intuito não é necessariamente prende-lo mas impedir que possa se eleger em 2018.

Realmente vivemos um período politico muito confuso. A sociedade não tem a menor ideia de um projeto nacional de desenvolvimento e está se apegando cada vez mais a figuras icônicas que fazem sua representatividade por sua imagem, isso fica claro quando observamos Bolsonaro em segundo lugar nas pesquisas e Sergio Moro em quarto lugar. Mesmo elegendo Lula ainda sim a grande massa politica do Congresso e do Senado poderá faze-lo oposição criando assim mais um cenário controverso de um novo Governo Petista.

Espero sinceramente que a sociedade não veja a figura de Lula como um salvador, que resolverá todas as questões econômicas e sociais do país. Que a visão publica possa se interessar e se importar em eleger um congresso e senado coeso com o projeto presidencial e que assim possamos avançar em um novo ciclo que possa desenvolver nosso país.

Acredito que um novo governo de simpatias entre Burguesia e Trabalhadores não seja a solução, mas por falta de melhores opções que venha Lula novamente.