Por que precisa fazer sentido?


Qual a forma de dar sentido as coisas? Já parou para pensar como é angustiante quando tentamos fazer algo na qual não enxergamos sentido? E o pior de tudo, fica um gosto amargo na boca como se esse algo fosse errado. Mas a qual sentido eu me refiro? Afinal, podem existir várias formas de sentido.

O mais comum é darmos um preço a tudo aquilo que fazemos. Logo nos perguntamos: para que vou fazer isso? E o que isso vai me trazer em troca?

E é aí o mais cruel dos sentimentos. Quando não valorizamos aquilo que fazemos por que não envolve na maioria das vezes um valor monetário nisso. Há alguns dias vi uma postagem de um blog amador e com bem poucas visualizações (assim como este que você está lendo) postando algo assim “acredito que esse é o fim do blog”. Não era exatamente essas palavras, mas o sentido é o mesmo. Um post bem curto de uma despedida.

Percebi ao comentar nessa postagem que o autor do blog tinha perdido o sentido dele. Como descobri isso? Eu simplesmente comentei na postagem “lembre quando você começou o blog qual era sua motivação” e aí o cara simplesmente desistiu de encerrar sua página. Obviamente tinham outros comentários de apoio no mesmo tom do meu. A questão é que acredito que ele conseguiu resgatar o sentido pessoal de escrever um blog.

Muitas das vezes iniciamos projetos na nossa mente e não tiramos eles do papel por que não acreditamos no seu desenvolvimento ou no resultado que ele pode gerar. Isso por que nossa sociedade está intensamente treinada para fazer uma equação, muitas vezes inconsciente, na qual procuramos um resultado que traga algum valor em troca do nosso esforço. A gente não estuda por estudar, ou produz por produzir. Há sempre outras questões mais importantes na qual precisamos focar e dedicar nosso tempo.

Isso faz com que aquilo que expressa quem somos se torne algo muitas vezes vazio e sem sentido.

Eu gosto dessa música do Oasis, e desse álbum também. É o momento mais louco e “nosense” da banda. Mas é justamente isso que me agrada. Fazer um álbum grandioso de coisas que só fazem sentido quando você aprende a dar sentido aquilo que realmente importa. Afinal, ninguém sabe qual o real valor das coisas (:

Stand by me
Nobody knows
The way it’s gonna be
Stand by me
Nobody knows
The way it’s gonna be

Anúncios

Cerveja, Frio e Red Hot

v0128275_posterframe

You don’t know my mind
You don’t know my kind
Dark necessities are part of my design, and
Tell the world that I’m
Falling from the sky
Dark necessities are part of my design

A meia luz, da sala iluminada pelas dezesseis horas que deveriam ser lá fora, fazia contraste com as imagens e sombras pulando na tela da televisão. Uma lata de cerveja gelada na mão direita introduzindo um liquido raso e amargo que escorregava pela língua passando garganta a dentro.

Havia uma coluna também. Feita de ossos, localizada no centro das costas, levemente dobrada, próxima a região do pescoço. A pior e mais confortável posição para simplesmente se deixar livre em cima de um sofá meio cama.

Um barulho sonoramente agradável preenchia a sala de estar no volume setenta e quatro, por que números quebrados tem um certo “qué” atrativo, faz com que você se sinta fora da curva, talvez um ser diferenciado que não pensa como todo mundo.

Aquelas pessoas do outro lado da rua nunca vão entender seus prazeres ou os nossos. Elas simplesmente parecem ter os mesmos gostos e sabores, o que não muda o fato de você vivenciar suas experiencias de igual forma quando se está encurralado de toda essa gente. Bem no momento em que se atravessa a calçada. Talvez elas tenham as mesmas necessidades estranhas que você, para se aliviar do dia a dia falso, recheado de sorrisos, beijos, abraços, fofocas, reclamações do chefe e abusos sexuais nos vagões do metrô super lotado.

Será que o vizinho ao lado fica nu enquanto canta e dança como o Renato russo na frente de um espelho grande? Ou talvez aquela secretária dos cabelos cheios fica vendo pornografia de transgêneros a noite toda e por tal motivo sempre tem olheiras profundas durante a manhã de serviço. Talvez a sua tia amélia esteja no Tinder procurando jovens a qual possa gastar suas sobras de dinheiro enquanto o tio Valter cheira cocaína todo santo dia pela manhã e após o almoço.

Será que a gerente geral do escritório de advocacia se diverte sozinha vendo desenhos e comendo docinhos entre a atualização de seu Storys com uma foto a frente do “PC” e outra naquela balada sertaneja de alto padrão?

Afinal de contas será que entendemos ou estamos prontos a conhecer as necessidades mais puras e simples que cada um, deste e do outro lado da cidade, sentem e não podem compartilhar? Estranho pensar que o mais normativo está profundamente enterrado em nossas obscuras e diferentes necessidades.

Los Hermanos – 18/05/2019

img-20190518-wa00407913776898771383569.jpeg

Eu estava pensando em escrever sobre memória. Estou terminando o livro famoso do Kazuo Ishiguro e a algum tempo venho conversado com um camarada sobre a questão da memória e esse tema que em nossa opinião também foi tratado muito brilhantemente no filme dos Vingadores.

Mas decidi mudar de ideia. Pois pensando sobre o tema me veio em mente o ultimo Show da turnê do Los Hermanos que aconteceu em São Paulo no Allianz Parque.

Foi nesse momento que percebi como é bom revisitar algumas coisas do passado. Coisas que estiveram ao seu lado dia após dia. Que te acompanham e que estão ligadas a momentos e sentimentos, tendo a sorte de poder ainda ao longo de todos esses anos ter os mesmos momentos e sentimentos.

img-20190518-wa00251957715353286896295.jpeg

Fazia tantos anos que fui a ultima vez num show dos caras e já são tantos mais que ouvia as musicas dos seus 4 CD’s que a principio não parecia que seria uma noite espetacular.

Na verdade, eu já estava até enjoado de ouvir Los Hermanos. É uma das poucas bandas que conheço praticamente todas as letras de todos os CD’s. E como já tive a experiencia de ver um de seus shows então a “Hype” estava bem baixa.

Não tive pressa de ir ao show, chegar cedo para conseguir os melhores lugares ou ficar com o frio na barriga e a ansiedade, contando as horas para o evento. Mas isso foi antes de chegar no lugar…

 

img-20190518-wa00313874906512830012939.jpeg

Quando entrei no estádio estava acompanhado de uma boa galera. Um camarada da Faculdade, que na época foi o meu maior parceiro de estudos e o qual eu mais dividi ideias e ideais, e seu amigo. Meus dois primos que tenho como irmãos de vida e que convivemos juntos desde pequenos, responsáveis por me apresentarem a banda a uns 11 ou 12 anos atrás. E a minha namorada. Que me acompanha até o inferno se for preciso e que mais do que isso se apaixonou pela banda quando eu a mostrei.

Além disto, havia encontrado um casal de amigos, dentro do estádio onde o show iria acontecer. Também estava no local uma amiga de infância mas, infelizmente, não consegui encontra-la no meio daquela multidão.

Por fim, parecia tudo perfeito. Meus irmãos de vida, amigos no qual passei anos dividindo ideias, conhecimento e ideologias e a Mulher que eu Amo.

img-20190518-wa00392898554909215083228.jpeg

Bom. Então o show começou. E tudo aquilo que pensei, de que não haveria borboletas no estomago, emoções descontroladas e ansiedade, mudou.

Acabamos nos enfiando no meio do povo até o mais próximo do palco possível. Cantamos. Gritamos. Ficamos sem voz. Nos abraçamos, pulamos e nos debatemos. Toda aquela energia ainda era a mesma depois de tantos e tantos anos. E mesmos que os barbudinhos parecessem um tanto velinhos em cima do palco ainda sim cantavam com toda força de vontade. Havia sinceridade na voz daqueles caras.

Praticamente duas horas e meia de show, uma visita por todos os quatro CD’s da banda. Por todas as suas fases. Por todas as nossas fases. A cada música memórias e mensagens voltavam e vinham a tona. O tempo que dividimos e ainda vamos dividir. Los Hermanos é uma banda histórica. Odiada por uma multidão, sim! Mas que após anos longe da mídia, sem produzir novos discos, consegue lotar estádios pelo país inteiro e gravar fundo suas letras na memória de seus fãs!

E isso é o foda sabe? É passar anos longe mas quando se está lá parece que nunca esteve tão perto. Todas aquelas letras que a tempos e tempos não havia escutado ou cantado saiam simplesmente da nossa boca, de todos nós. Como se nunca tivéssemos deixado de canta-las.

 

“Eu só aceito a condição de ter você só pra mim..
Eu sei não é assim,
Mas deixa eu fingir.. E rir!”

Apesar de Você

Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão
A minha gente hoje anda
Falando de lado
E olhando pro chão, viu

Você que inventou esse estado
E inventou de inventar
Toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar
O perdão

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Eu pergunto a você
Onde vai se esconder
Da enorme euforia
Como vai proibir
Quando o galo insistir
Em cantar
Água nova brotando
E a gente se amando
Sem parar

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros, juro
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Este samba no escuro

Você que inventou a tristeza
Ora, tenha a fineza
De desinventar
Você vai pagar e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Inda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria
Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
Que esse dia há de vir
Antes do que você pensa

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai se explicar
Vendo o céu clarear
De repente, impunemente
Como vai abafar
Nosso coro a cantar
Na sua frente

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai se dar mal
Etc. e tal
Lá lá lá lá laiá

Música e o Cotidiano – I

Bolsonazi

– Pensei em criar uma série aqui no blog sobre musicas que podem falar algo sobre nossos tempos, nosso cotidiano. Espero que fique legal (:

Baby, compra o jornal
E vem ver o sol
Ele continua a brilhar
Apesar de tanta barbaridade

Baby, escuta o galo cantar
A aurora dos nossos tempos
Não é hora de chorar
Amanheceu o pensamento

O poeta está vivo
Com seus moinhos de vento
A impulsionar
A grande roda da história

Mas quem tem coragem de ouvir

Amanheceu o pensamento
Que vai mudar o mundo
Com seus moinhos de vento

Se você não pode ser forte
Seja pelo menos humana
Quando o papa e seu rebanho chegar
Não tenha pena

Todo mundo é parecido
Quando sente dor
Mas nu e só ao meio dia
Só quem está pronto pro amor

O poeta não morreu
Foi ao inferno e voltou
Conheceu os jardins do Éden
E nos contou

Mas quem tem coragem de ouvir
Amanheceu o pensamento
Que vai mudar o mundo
Com seus moinhos de vento

Mas quem tem coragem de ouvir
Amanheceu o pensamento
Que vai mudar o mundo
Com seus moinhos de vento

O poeta não morreu
Foi ao inferno e voltou
Conheceu os jardins do Éden
E nos contou

Mas quem tem coragem de ouvir
Amanheceu o pensamento
Que vai mudar o mundo
Com seus moinhos de vento

Mas quem tem coragem de ouvir
Amanheceu o pensamento
Que vai mudar o mundo
Com seus moinhos de vento

– O Poeta Está Vivo – Barão Vermelho.

Creep – II

When you were here before
Couldn’t look you in the eyes
You’re just like an angel
Your skin makes me cry

You float like a feather
In a beautiful world
I wish I was special
You’re so fucking special

But I’m a creep
I’m a weirdo
What the hell am I doing here?
I don’t belong here

I don’t care if it hurts
I wanna have control
I wanna a perfect body
I wanna a perfect soul

I want you to notice
When I’m not around
You’re so fucking special
I wish I was special

But I’m a creep
I’m a weirdo
What the hell am I doing here?
I don’t belong here

She’s running out the door
She’s running out
She run, run, run, run
Run

Whatever makes you happy
Whatever you want
You’re so fucking special
I wish I was special

But I’m a creep
I’m a weirdo
What the hell am I doing here?
I don’t belong here
I don’t belong here…

Creep

creep

Eu recostei a cabeça em seu colo, enquanto me esticava no sofá da sala. A televisão, centrada na parede, tocava diversas musicas, uma playlist em shuffle mas seguindo uma certa linha de ritmos na qual eu não faço a minima ideia de como é pré definida.

“When you were here before
Couldn’t look you in the eyes
You’re just like an angel
Your skin makes me cry”

Sentia seus dedos passando delicadamente pelos fios da minha barba, o seu olhar fixo nos meus olhos, de cima para baixo. Um rosto sereno e pouco expressivo, me deixava apreensivo por não saber o que se passava em sua cabeça.

“You float like a feather
In a beautiful world
I wish I was special
You’re so fucking special”

Eu te devolvi o carinho, com caricias em seu rosto, te olhando de baixo pra cima, deixando que meus dedos desenhassem as bordas da sua orelha. Com uma voz tímida comecei a cantar Creep do Radiohead – era o que passava na TV – fazendo daquele momento o meu desabafo.

“But I’m a creep
I’m a weirdo
What the hell am I doing here?
I don’t belong here”

Ela não entendia muito de inglês e por isso não soube do que a musica se tratava. Eu disse todas as palavras que precisava sem, ao mesmo tempo, dizer nada.

No fim da noite, na cama e com todas as letras, disse-me: Eu já pensei em desistir tantas vezes.

Talvez ela saiba desabafar melhor do que eu.