A Leprechaun

maxresdefault

Já acessaram nosso insta? @CrimeSemCastigo

O ferro acima da cabeça estava puro gelo. O corpo abaixo do crânio queimava por dentro. Havia alívio no toque gélido do metal que fazia com que o suor interno não fosse algo duramente tortuoso.

As pálpebras pesavam e estranhamente ficavam cada vez mais rígidas. Cada singelo som do lugar representava uma nova martelada em sua massa cinzenta, fosse o ruído dos fones de ouvido altos o suficiente para escorrer por fora da orelha do rapaz que estava a sua esquerda ou fosse pelas risadas estridentes das duas mulheres de meia idade a sua direita.

Uma pontada de dor abaixo das costelas, pela lateral das costas representava uma cotovelada advinda dos empurrões da última parada. Era assim todo santo dia. A mesma rotina com as mesmas ocorrências, em ordem aleatória, mas nenhuma delas faltava uma vez sequer.

O problema não era o ambiente, a isso já havia se tornado seu habitat natural, mas sim que hoje o inferno queimava dentro do seu corpo e a fraqueza de espírito naquele momento fazia-o perceber quanto era deprimente ter se acostumado aquela opressão diária.

A temperatura do aço, acima de suas ideias, já havia se tornado ambiente e não tendo onde ou como estender a outra mão para buscar um novo pedaço de salvação acabou por aceitar que sua condenação estava sentenciada.

De repente sentiu um ligeiro choque passando por suas têmporas, fazendo sua testa enrugar ao tempo em que sua arcada dentária travava, enquanto sugava a sobra de saliva na boca percebeu que algum tipo de poeira cármica preenchia a parede de suas narinas. A sensação da morte certa se aproximava, vinda do fundo de seus pulmões, subindo pelos canos internos do corpo ao qual ele não sabia seus nomes. Uma força descontrolada como o estouro de uma debandada explodiu pelo seu nariz fez com que sentisse uma badalada dos sinos de Notre Dame batendo dentro de sua caixa craniana. Mas ele nunca havia ouvido Notre Dame. Um muco viscoso se acumulava dentro de seu sistema respiratório e o fato de não ter sido expelido brutalmente em todas as pessoas ao seu redor fez com que sua fé em Deus fosse restaurada.

Depois da explosiva reação de limpeza natural das suas narinas os olhos fecharam inconscientemente. Lentamente, enquanto os abria, percebeu uma nova figura no local. Em cima do ombro esquerdo do jovem negro sentado a sua frente havia um pequenino senhor barbudinho, vestido de um mini terno verde folha, com calças verde musgo, sapatos verde água e um chapéu verde escuro. Na parte detrás de suas calças ficava preso o caule de uma folha que o protegia a cima da cabeça. O seu rostinho enrugado somado ao monóculo preso em seu olho direito dava a entender que aquele sujeitinho já estava com uma idade bem avançada.

Era curioso. Aquela criatura havia surgido de algum ou qualquer lugar e estava examinando atentamente o rapaz, dono daquele ombro, mas ele parecia não poder perceber a presença do intrigante ser esverdeado. Foi então que, após concluir sua análise, o pequenino duende tirou um saquinho que estava junto a seu cinto e jogou um punhado de poeira no rosto daquela pessoa que em alguns instantes se pôs a dormir.

O velho elfo então caminhou pelo trapézio do dorminhoco e desapareceu ao entrar pelo seu ouvido. Aquela situação era bizarra e assustadora! E a surpresa fez com que pudesse até mesmo esquecer, por algum momento, a temperatura de suas entranhas aumentando. Quando pensou em acordar o rapaz sentado a sua frente para avisá-lo do parasita em sua cabeça percebeu que o pequeno gnomo agora se revelava em outro lugar.

A menina recostada na porta do vagão estava lendo algum livro qualquer sobre como tocar o foda-se para as coisas da vida de maneira correta. Uma garota esbelta e alta, de pele clara, com poucas sardas no rosto facilmente confundidas com canduras. Tinha longos cabelos louros que estavam enrolados em si mesmos no topo de sua cabeça formando um coque. E foi ali, sentado como um passarinho verde num ninho de palha dourada que o homenzinho estava. Observando do alto parecia muito interessado nas reações que a senhorita expressava a cada página lida. E no momento em que ela hesitou em virar uma página e, ao invés disso voltou a página anterior, o ser humaninho fez sua mágica! Uma leve chuva de pó verde recaiu sobre o rosto e os olhos da menina que lentamente deixou o corpo se apoiar mais entre a porta e o recosto do banco ao seu lado, o livro provou seu peso sobre a mão amolecida e foi se fechando enquanto o braço sedia ao apoio da mochila que carregava a frente do corpo. Dormiu. Essa com a boca aberta ainda, coitada. Aquela versão de papai Noel fundida a Luigi do Mario Bros, se aproveitou da situação e descendo pelo rosto, da indefesa e adormecida mulher, entrou em sua boca. Sumiu.

Após ter sido testemunha de mais uma cena sem nenhum tipo de explicação plausível começou a questionar então sua sanidade. Ao mesmo tempo, sentia pequenos tremores deslizarem por todo o seu corpo enquanto o suor gelado praticamente lavava seu rosto. Foi neste momento que sem aviso percebeu pequenos e leves toques subindo das costas, pelo pescoço até seu ombro esquerdo. Lá estava ele, a diminuta criatura. No fundo, já sabia que cedo ou tarde também seria a sua vez, mas não havia o que pudesse fazer para sua proteção e segurança. Seu corpo agora pesava toneladas e seus glóbulos oculares estavam duros como bolas de gude. Quando percebeu que a batalha estava perdida e demonstrou sua rendição ao deitar suas pálpebras sobre os olhos antes mesmo que o pó verde fosse necessário, escutou no pé do ouvido uma voz rouca e animadora:

– Hoje o Velho Leprechaun vai te levar para uma viagem muito doida cara!

Depois da última palavra o breu total tomou conta do mundo. E, como se um buraco tivesse aberto aos seus pés, ele caiu. Caiu mais. Caiu fundo e pesado. Sentia a turbulência do caminho enquanto seu corpo era jogado de um lado para o outro, tremendo sem nenhum controle. Os olhos, mesmo fechados, eram atingidos por diversos lampejos de luzes coloridas. “O caminho do arco-íris!” Pensou e sentiu que havia sorte em tudo aquilo, pois tinha certeza que ganharia um pote de ouro ao final da viagem.

Se lhe perguntarem, com certeza, não saberia responder por quanto tempo essa loucura durou. Mas em algum momento uma luz forte atingiu a pele de seus olhos pelo lado de fora e um toque suave e macio de uma mão rechonchuda apertava seu braço enquanto uma voz firme dizia: Acorda Rapaz! Demorou alguns momentos até ter forças para levantar as pálpebra se se acostumar com a luz do local que era refletida brilhantemente pelas paredes claras. Em sua frente havia o que parecia duas moedas douradas, bem pequenas “O Tesouro!” pensou. Mas infelizmente, quando o nublado turvo dos olhos passou percebeu que aquele ouro eram apenas dois comprimidos amarelos na palma da mão de uma enfermeira da estação de metrô. O frio que sentia era ao ponto de bater o queixo e prometeu a si mesmo nunca mais seria enganado pela febre ou por um Leprechaun.

Cerveja, Frio e Red Hot

v0128275_posterframe

You don’t know my mind
You don’t know my kind
Dark necessities are part of my design, and
Tell the world that I’m
Falling from the sky
Dark necessities are part of my design

A meia luz, da sala iluminada pelas dezesseis horas que deveriam ser lá fora, fazia contraste com as imagens e sombras pulando na tela da televisão. Uma lata de cerveja gelada na mão direita introduzindo um liquido raso e amargo que escorregava pela língua passando garganta a dentro.

Havia uma coluna também. Feita de ossos, localizada no centro das costas, levemente dobrada, próxima a região do pescoço. A pior e mais confortável posição para simplesmente se deixar livre em cima de um sofá meio cama.

Um barulho sonoramente agradável preenchia a sala de estar no volume setenta e quatro, por que números quebrados tem um certo “qué” atrativo, faz com que você se sinta fora da curva, talvez um ser diferenciado que não pensa como todo mundo.

Aquelas pessoas do outro lado da rua nunca vão entender seus prazeres ou os nossos. Elas simplesmente parecem ter os mesmos gostos e sabores, o que não muda o fato de você vivenciar suas experiencias de igual forma quando se está encurralado de toda essa gente. Bem no momento em que se atravessa a calçada. Talvez elas tenham as mesmas necessidades estranhas que você, para se aliviar do dia a dia falso, recheado de sorrisos, beijos, abraços, fofocas, reclamações do chefe e abusos sexuais nos vagões do metrô super lotado.

Será que o vizinho ao lado fica nu enquanto canta e dança como o Renato russo na frente de um espelho grande? Ou talvez aquela secretária dos cabelos cheios fica vendo pornografia de transgêneros a noite toda e por tal motivo sempre tem olheiras profundas durante a manhã de serviço. Talvez a sua tia amélia esteja no Tinder procurando jovens a qual possa gastar suas sobras de dinheiro enquanto o tio Valter cheira cocaína todo santo dia pela manhã e após o almoço.

Será que a gerente geral do escritório de advocacia se diverte sozinha vendo desenhos e comendo docinhos entre a atualização de seu Storys com uma foto a frente do “PC” e outra naquela balada sertaneja de alto padrão?

Afinal de contas será que entendemos ou estamos prontos a conhecer as necessidades mais puras e simples que cada um, deste e do outro lado da cidade, sentem e não podem compartilhar? Estranho pensar que o mais normativo está profundamente enterrado em nossas obscuras e diferentes necessidades.

Tesão pelo Ed. Poe

edgar-allan-poe-medo-classico-capa-dura-darkside-D_NQ_NP_796057-MLB25892077844_082017-F

OOOOIIII!!

Ela sempre de braços abertos e sorriso espalhado na boca. Dentes brancos brilhando ao me ver. E ai jow, era 80% das vezes a minha resposta. 20% eu reservava para um Oi Mih. Mas sempre, sem falta, havia um abraço. Na maioria das vezes ela estava com os ombros desnudos e eu aproveitava para sentir sua pele macia no meu rosto. O cheiro perfumado e natural que exalava era tanto agradável quanto natural.

Meo, você precisa ler Edgar Allan Poe! Tem uma história que… Cerca de 5 a 8 vezes por Mês me comentava sobre alguma literatura do Edgar Allan Poe. Ela ama essa porra de escritor. Nossa sério? Que foda. Assim que der eu vou comprar um livro dele. Invariavelmente, por volta de 90% das vezes, eu respondia dessa forma, logicamente de varias formas genéricas. Os outros 10% eu apenas acenava com a cabeça ou fazia/demonstrava alguma expressão, tal como levantar as sobrancelhas ou apenas sorrir feito idiota. A questão é que eu não me importava, tanto que não me lembro de nada sobre nada do que ela já há de ter me contato do autor e sua obra.

No fim sentia-se satisfeita. Não pelas respostas, essas a deixavam sem graça e desconcertada, sem entender como o meu interesse parecia desaparecer num instante. Então por qual motivo afirmo sua satisfação? Está nos olhos. Todas as vezes que falava sobre Edgar Allan Poe dava para perceber o quanto meus olhos e meu foco estavam voltados 100% para ela. O problema é que a menina acreditava que me importava com o que dizia quando na verdade minha mente estava bem distante.Vendo aqueles lábios delicados se mexendo, imaginando aqueles cabelos longos e lisos, que passavam da altura dos ombros, enrolados na minha mão enquanto eu a puxava. Seu corpo moreno e nu sob o colchão da cama de qualquer Motel barato que encontrássemos, enquanto fugíamos da aula de sociologia.

O tesão que ela enxergava ao ver meus olhos, vidrados durante sua fala, não era por causa do Ed. Poe. Tudo isso começou por causa da Rosa e seus vestidos curtos. Um botão aberto e vermelho tatuado no lado da coxa com seus gravetos subindo por sua perna e entrando em seus vestidinhos coloridos que sempre estavam a cima do joelho e cortando a Flor ao meio. A Curiosidade é a verdadeira razão do Tesão. Não é saber ou ver aquilo que está por baixo de todas as roupas vestidas em pessoas nas ruas e sim imaginar, se perguntar e tentar adivinhar o que está por baixo. Esse período de desejar saber é o segredo do Tesão.

Eu não tinha tesão pela obra do Poe, pior ainda é que me apaixonei. No fim acredito que ela percebeu minha falta de interesse em quase tudo que me dizia. E isso é por causa do Ed. Se fosse Shakespeare, Bukowski ou Kafka, com toda certeza eu teria conseguido algo com a garota. Eu juro que nunca vou ler um livro se quer desse puto.

 

 

Sobre mitos e lendas

x

O Rei era grandioso!

Amado e adorado por seu povo e por todos aqueles que estavam sob seu comando. Seu nome era sinônimo de coragem e lealdade. Não havia uma batalha, em nenhuma guerra se quer, que não estivesse junto a seus soldados. Se arriscando aos mesmos perigos!

Todos os guerreiros do reino teriam coragem e orgulho de morrer por seu soberano. Diziam “Minha vida pertence a meu Rei, meu Senhor!” e assim o seguiam com carinho e dedicação, fazendo o que fosse preciso pela glória de seu reino.

Porém, havia um povoado que não concordava com aquele estado de ordem na qual a Coroa os submetia. Essas pessoas estavam furiosas! Não aceitavam plantar  e doar mais da metade do que produziam a Corte. Diziam que as palavras do Rei não faziam sentido a sua realidade. Que sua força de expansão imperial em nada melhorava a vida e o dia a dia sofrido de quem trabalhava nos grandes campos.

Em um sinal de força e Ordem o rei determinou uma pequena comitiva até aquele povoado. 150 Cavalos com armaduras, lanceiros grandiosos e experientes de guerra,  organizavam uma campanha exuberante. No meio daquela armada o rei estava sob uma carruagem onde seu assento fora colocado no topo do carro. Assim ele olhava o caminho do alto, sua visão poderia alcançar muito adiante e ao mesmo tempo muitos poderiam avista-lo.

Sua armadura reluzia em ouro. E refletia a luz do sol como se fizesse a si um espelho a grande estrela de fogo. Os detalhes desenhados cuidadosamente no metal marcavam cenas de batalhas que estavam escritas em sua história de 20 anos como comandante. Essa era a imagem divina daquele que nomeava a si mesmo como o Salvador, o homem que iria eliminar todo o mal presente nos infelizes atrevidos o suficiente para contrariar a vontade de Deus.

Mas, foi quando cruzaram um pequeno vale, pelo qual um fino caminho de água escorria entre duas margens forradas de arvores aos pés de alguns morros, que o impensável aconteceu.

Quando seu rosto bateu contra o chão macio e molhado daquele caminho e sua boca encheu-se de lama a unica coisa que passou pela cabeça do Rei era “A terra não é tão nojenta quanto parece”. O que se passou depois disso foi apenas tragédia e dor. Havia quebrado um tanto de costelas e a bacia enquanto os ossos de um ombro e de um cotovelo rasgavam sua pele, rachados com o peso de seu corpo. O Sangue se acumulava na garganta e afogava seus pulmões. A lança que perfurava abaixo de suas axilas, havia rachado após a queda e, por isso, sentia fiapos e pontas de madeira esfregando sua carne. O desespero de seus cavaleiros foi generalizado. E tão cedo quanto tinha sido a queda de seu rei fora o tempo para capturar o jovem que estava a espreita entre as arvores. O Assassino com toda certeza seria levado a tortura e execução em praça publica, mas isso já não fazia diferença. O rei estava Morto.

Seu corpo não era sagrado, havia sangue, carne e osso, não luz e ouro como muitos acreditavam. Sua agonia e dor, o medo em seus olhos cheios de lagrimas, eram iguais a de todos os homens que enfrentavam a morte prematura. Seus vinte anos de história foram deixados de lado enquanto os membros de sua família disputavam a divisão de poder e terras.

Com o passar de alguns anos seu reino se adaptou aos novos dias, a novos governantes e a tantos outros Deuses Homens. Talvez fosse comum, que de tempos em tempos as pessoas procurem um santo entre si. Alguém que possa de forma simples resolver todos os seus problemas. Que tenha palavras firmes e assim te faça acreditar que o mundo é mais simples do que parece ser. É bem capaz que todos nós estejamos procurando alguém que assuma a responsabilidade por nossas vidas. Mas não podemos esquecer que todos nascemos como homens e morremos como homens, pois Deuses, Mitos e Lendas não caminham entre nós.

Mais do Mesmo

deitado-sobre-a-cama

Acordou por volta das 12:30. Ao lado da cama, em cima do criado mudo, uma caneca e um copo, a primeira preenchida em seu fundo com o resto de um café amargo e gelado o outro exalando o fedor de cerveja enquanto moscas dançavam por cima dele. Havia também uma garrafa de Contini e uma de Martini, jogadas no chão com mais ou menos um terço de seu conteúdo.

Olhou de relance para a janela meio aberta que estava no lado oposto do quarto. Lembrou que havia deixado assim para que a luz do Sol pudesse acorda-lo pela manhã. No mesmo momento se arrependeu da ideia.

Aquele era o dia certo. O dia em que tudo iria mudar.
Hoje um novo homem sairia pela porta daquele apartamento de 3 cômodos, para desbravar novos horizontes em sua vida. E este seria lembrado como o momento em que suas escolhas transformariam como nunca antes o seu futuro. Dentro de si poderia sentir um leão enorme, envolto a uma juba feita de fogo, pronto para se libertar e mostrar ao Mundo que o Rei é dono de seu próprio destino.

Após 15 minutos olhando fixamente para a janela, decidiu encobrir parte do rosto com a coberta para evitar que a luz incomodasse seus olhos.

Suspirou profundamente.

Caiu no sono. Decidiu assim, que aguardaria mais um dia para conquistar o mundo.