Por que precisa fazer sentido?


Qual a forma de dar sentido as coisas? Já parou para pensar como é angustiante quando tentamos fazer algo na qual não enxergamos sentido? E o pior de tudo, fica um gosto amargo na boca como se esse algo fosse errado. Mas a qual sentido eu me refiro? Afinal, podem existir várias formas de sentido.

O mais comum é darmos um preço a tudo aquilo que fazemos. Logo nos perguntamos: para que vou fazer isso? E o que isso vai me trazer em troca?

E é aí o mais cruel dos sentimentos. Quando não valorizamos aquilo que fazemos por que não envolve na maioria das vezes um valor monetário nisso. Há alguns dias vi uma postagem de um blog amador e com bem poucas visualizações (assim como este que você está lendo) postando algo assim “acredito que esse é o fim do blog”. Não era exatamente essas palavras, mas o sentido é o mesmo. Um post bem curto de uma despedida.

Percebi ao comentar nessa postagem que o autor do blog tinha perdido o sentido dele. Como descobri isso? Eu simplesmente comentei na postagem “lembre quando você começou o blog qual era sua motivação” e aí o cara simplesmente desistiu de encerrar sua página. Obviamente tinham outros comentários de apoio no mesmo tom do meu. A questão é que acredito que ele conseguiu resgatar o sentido pessoal de escrever um blog.

Muitas das vezes iniciamos projetos na nossa mente e não tiramos eles do papel por que não acreditamos no seu desenvolvimento ou no resultado que ele pode gerar. Isso por que nossa sociedade está intensamente treinada para fazer uma equação, muitas vezes inconsciente, na qual procuramos um resultado que traga algum valor em troca do nosso esforço. A gente não estuda por estudar, ou produz por produzir. Há sempre outras questões mais importantes na qual precisamos focar e dedicar nosso tempo.

Isso faz com que aquilo que expressa quem somos se torne algo muitas vezes vazio e sem sentido.

Eu gosto dessa música do Oasis, e desse álbum também. É o momento mais louco e “nosense” da banda. Mas é justamente isso que me agrada. Fazer um álbum grandioso de coisas que só fazem sentido quando você aprende a dar sentido aquilo que realmente importa. Afinal, ninguém sabe qual o real valor das coisas (:

Stand by me
Nobody knows
The way it’s gonna be
Stand by me
Nobody knows
The way it’s gonna be

Anúncios

Stand By Me

xaxaxa

Por: Mauricio Lahan Jr

* Tem que dar Play ali embaixo 😉

– Lembra do molho com azeitonas?

Eu era uma criança cheia de paixões! Tinha tantas idéias e tantos futuros passando pela minha cabeça. Mas um dia meu grande castelo se quebrou e eu pensei que não haveria nada mais a frente.

Você apareceu. Me levou para conhecer sua casa, dividiu segredos, medos e uma cama. Passamos por dias e noites, por extremos sorrisos e medos.

Mas não deu certo. Nem mesmo depois de tantas Tequilas. Você não sabia o que sentia – ou sabia e eu não entendia. Pediu um tempo, dois tempos, três tempos. Me quis uma vez de volta, duas vezes. Apenas duas vezes.

“So what’s the matter with you?
Sing me something new
Don’t you know?
The cold and wind and rain don’t know
They only seem to come and go away.”

Sempre tao impulsiva. Eu te disse isso naqueles dias. E você me disse isso nestes dias de hoje.

Foram tantas as coisas que aprendi nestes últimos anos.

Você vai embora de novo? Eu sei. Eu fugi antes. Mas o que esperava de mim? Vai me deixar estar por perto? Vai ficar por perto?

Não. Talvez não se importe mais. Talvez não tenha feito diferença.

“Times are hard
When the things have got no meaning
I’ve found a key upon the floor
Maybe you and I will not believe
In the things we find behind the door”

Eu deixei de lado as paixões e o futuro. Não sou mais uma criança. E hoje meu pequeno quarto é muito seguro.

Eu te escrevi um poema certa vez. Você jogou fora. Eu nunca esqueci. Do seu molho com azeitonas ou das doses de tequila. Não da pra esquecer o café que você preparava em algumas manhãs. As quentes e intensas madrugadas.

Por que você voltou se não foi para ficar do meu lado?

“If you’re leaving, will you take me with you?
I’m tired of talking on my phone
There is one thing I could never give you
My heart will never be your home”