Universo que não Percebemos (3): Criar Responsabilidades para Fugir de outras.

Sem títuloHey Galera!

Andei meio sumido do blog. As coisas andam meio corridas e eu tenho poucas ideias de conteúdo e muita preguiça de escrever as que tenho haha. Mas o blog anda ganhando mais acesso mesmo sem eu me esforçar, por isso quero ao máximo conseguir ser frequente e participar mais da blogosfera. Seguimos ao tema do post:


O que seria criar responsabilidades para fugir de outras?

É uma forma simples de acabarmos de uma maneira confortável com crises interiores, envolvendo tomadas de decisões ou a necessidade de encarar certos fatos.

Ela consiste em selecionarmos uma grande responsabilidade para o nosso universo e justificarmos a negação de tantas outras responsabilidades por causa desta citada anterior. Por exemplo: Eu não tenho como brincar com as crianças, fazer o trabalho de casa do meu filho mais velho com ele e lavar o banheiro de casa, pois passo o dia inteiro trabalhando.

Esse é um exemplo bem básico mas que pode se aplicar em tantos outros contextos. Quando temos medo de enfrentar uma nova carreira e começar do zero, medo de não conseguir o dinheiro desejado praticando aquilo que nos é verdadeiro: Não tenho como fazer minha faculdade e não vou Cursar artes Cênicas por que isso não da dinheiro e preciso me sustentar.

Novamente, por muitas vezes, sentimos medo e acabamos criando uma responsabilidade exageradamente grande, que pode ser enorme de verdade ou idealizamos ela de forma enorme, para encobrir nossas duvidas e nos mantermos numa bolha protetora de conforto.

O ideal nesse caso é perder o medo de desafios e termos coragem de assumir aquilo que nos é realmente verdadeiro e essencial, seja ser desenhista, biólogo com desejo de trabalhar com animais ou ser músico (escolhi tais exemplos pois geralmente são modelos que muitas pessoas deixam de lado para escolherem outras carreiras como contabilidade e administração apenas por motivos financeiros). Além disto não podemos utilizar uma responsabilidade para encobrir outras. Não é justo deixar de passar tempo com nossos filhos e desenvolve-los para deixa-los na frente de uma televisão pelo motivo de que trabalhamos o dia inteiro, ou deixar de cuidar da casa pois isso não é responsabilidade de um homem. Entre tantos outros exemplos não podemos deixar de lado desafios lançados a nós pelo nosso universo justificando isso de forma egoica.

Basicamente… Devemos assumir mais desafios que desejamos sem medo de tenta-los e enfrentar mais responsabilidades que temos que nos foram oferecidas por nosso universo interior e aprender a enxerga-las não como obstáculos mas sim como oportunidades de aprendizado para assim aproveitarmos ao máximo nossas vivencias.


Espero que tenha conseguido ser claro e que as ideias desse quadro possam fazer sentido a todos vocês que leem o blog. Se ficou algo confuso, discorda ou quer acrescentar algo basta comentar 😉

Universo que não percebemos (2): Fazer menos do que podemos.

Heyy oohh!

Todo mundo ligado nas informações, símbolos e sinais que nosso universo nos apresenta?

No ultimo post eu comentei sobre a questão de “A Ajuda que Pedimos mas não queremos Receber”.
Hoje a ideia é trabalhar com outra forma de sinais que surgem de forma tão natural, que nos incomoda e que dificilmente queremos encarar como símbolos e avisos positivos. Tendemos sempre a ter uma impressão negativa sobre o assunto.

Fazer menos do que podemos. Acredito que a maioria das pessoas deve sentir e viver isso. Seja talvez por estarmos sempre em constante desenvolvimento e aprendendo que podemos sempre nos superar e fazer cada vez melhor.

Vou tentar como no outro texto dar um exemplo para ficar mais claro. Imagine que vc se formou na faculdade. Estudou anos e anos de sua vida. Chegou o dia em que teve em mãos seu fantástico diploma ou certificado de conclusão de seu curso. Porém você é o tipo de pessoa que não entra de cabeça na correnteza do mercado econômico e acabou escolhendo um curso mais “peculiar”. Muitas vezes acabamos não encontrando espaço dentro e fora de nós para exercer aquilo que queremos. E na maioria das vezes temos medos e receios de exercer aquilo que nos deveria ser essencial. Afinal há um motivo para ter escolhido aquilo como forma de expressão de sua funcionalidade social. Então você termina sendo uma pessoa formada em Artes, Ciências sociais, Professor(a) de Química, Escritor(a), Musico, enfim, sentado num escritório exercendo a função de assistente administrativo ou caixa e vendedor de loja de roupas no Shopping. Há algum problema em exercer tais profissões? NÃO!

O problema não está numa questão de humildade. Mas é geralmente neste momento que começa a surgir em seu universo diversas pessoas lhe dizendo coisas do tipo: mas você é muito inteligente para ser Atendente de loja ou caixa de Mc Donalds. Por qual motivo você faz serviço de diarista se já é formada em Pedagogia?

São centenas de exemplos, em vários níveis e planos da nossa vida, diferentes.

Obviamente todos esses comentários, mesmo que sem a intenção, acabam carregados de uma alta carga de preconceitos. Mas é importante tentarmos enxergar o que para nós pode ser útil ou valioso ao receber tais comentários. Por que deixamos de ser um Músico de Bar para vendermos 9 ou 10 horas de nosso dia num escritório enquanto fazemos um curso online de Administração ou TI para ganhar dinheiro, por exemplo? Obviamente por que temos interesses de consumo, preocupações e responsabilidades que necessitam ser saciadas, porém acabamos  por deixar nossas necessidades essenciais de lado muitas vezes por justamente termos medo de não conseguirmos lidar com tantas problemáticas do cotidiano.

Nossos medos são todos partes de nosso Ego. E muitas vezes quando alguém nos diz “Mas você não deveria estar fazendo isso” devemos pensar além de um preconceito social e entender que possamos estar recebendo um símbolo de nosso universo nos avisando “Você não está agindo de forma verdadeira, não está expressando seus desejos íntimos e essenciais, por que você aceita essa situação conflitante?”. Obviamente teremos muitas respostas para o nosso universo pessoal, mas isso não significa que muito dessas respostas deixam de ser apenas medos que temos. Medo de não ser o melhor naquilo que acreditamos, medo de não sermos capazes de ser aceitos na sociedade como queremos, medo de não conseguir pagar as contas ao fim do mês ou trocar de carro na virada do ano. Com isso acabamos vivendo vidas que não escolhemos e em certo momento simplesmente tudo trava em nossa cabeça um vazio preenche nossas mentes e uma simples pergunta surge “O que é que estou fazendo da minha vida?”.

Na maioria das vezes temos o Medo de nós mesmos. De não sermos capazes de fazer o melhor… De termos um futuro frustrante e arriscado. O ideal é trabalhar esse medo e tentar perceber quando o universo nos avisa que estamos tomando um caminho que não seja o de nossa Verdade.

Então antes de muitas vezes pensar “Você não sabe o que eu tenho que aguentar para estar aqui” quando imagina que alguém esteja te julgando, pense duas vezes se neste momento o seu universo não está tentando conversar com você e colocou justamente aquela pessoa para lhe provocar e instigar a pensar em por qual motivo você insiste em agir contra a sua própria verdade.

Aprenda a conversar com seu universo! Pois tudo que entra em sua vida é obra e responsabilidade de sua própria vontade.

Q.F.

Universo que não Percebemos (1)

Homem_Universo

Eu venho estudando tradições herméticas a algum tempo. A base de grande parte dos fundamentos do Hermetismo está em reconhecer o ser como centro do universo e entender de forma essencial a nossa relação com o mesmo.

Por tal motivo vou escrever uma série de textos falando sobre alguns insights ou ideias sobre nossa relação com o resto do mundo sutil que por muitas vezes não percebemos.

A Ajuda que pedimos e não queremos receber.

Muitas são as vezes que nós perguntamos “por que isso acontece comigo”, “por que eu não consigo encontrar a pessoa certa”, “por que estou tao sozinho(a)”, “por que não posso confiar em ninguém” etc etc.

Obviamente é comum precisarmos de apoio, não vou ser daqueles que diz que tudo está bem na nossa cara e não vemos ou que é simples ser feliz pois isso apenas depende de nós. Minha ideia é chamar a atenção para algo um pouco mais sutil.

Toda ação gera uma reação e até mesmo um pedido de ajuda ao Universo, Deus, Santo ou seja o que for que você reconheça como uma força ou energia sutil, gera uma resposta. Muitas são as vezes em que pedimos alguém que possa entender quem somos e que esteja disposta a ouvir nossas dificuldades por exemplo e não há nada de mal nisto, mas temos que estar bem atentos a resposta de nosso Universo pessoal. Não são raras as vezes em que pessoas entram em nosso mundo e não as percebemos. Deixamos escapar a oportunidade de criar síntese e laços fortes pois simplesmente ignoramos aquele individuo ou oportunidade que nos é colocada a disposição.

Talvez a pessoa certa para te ajudar a enfrentar uma fase difícil na vida, ou para lhe oferecer um bom conselho, ou disposta a apenas ouvir com carinho sobre seus problemas está bem ao seu lado e acabamos nem percebendo isso.

O Vicio de Criar Problemas como Intermédio.

Ao me esforçar para olhar dentro de mim, comecei a receber respostas sobre meus questionamentos. O processo foi bem simples, apenas me permiti em um momento de silencio e calmaria perguntar a mim mesmo “por que não tenho com quem falar?” e a resposta foi a imagem de uma pessoa em minha cabeça no mesmo instante!

A questão em especial que percebi foi: a pessoa que surgiu em minha cabeça não era exatamente quem eu queria como resposta.
Assim entendi que meu problema não era ter com quem falar mas sim não ter a atenção de certa pessoa X ou Y. Por causa disso assimilei que tinha uma visão injusta do meu universo no qual existiam pessoas que poderiam estar ao meu lado mas que eu ignorava por outros motivos Egoístas.

Tenha visão para novas possibilidades.

A melhor forma de se conectar com o universo e as energias sutis é se desapegar de pré conceitos ou pré escolhas. Deixar se levar de forma aberta a novas possibilidades. Tente criar novas relações com quem você não acredita ser possível e abra espaço para conhecer melhor aquela pessoa X ou Y que você mantem afastada. Escute com mais atenção seu interior e tenha certeza de que não está se enganando ou se sabotando no processo.

Assuma quando seu desejo for infantil e não tente buscar meios e subterfúgios para justifica-lo como correto. Viva mais a sua essência e tente ao máximo extrair o que de melhor as pessoas ao seu redor possam te oferecer sem julga-las previamente.

 

O Texto ficou bem pequeno para nao ser cansativo, mas espero que seja um gatilho para uma reflexão mais aprofundada sobre o tema haha

– I See Ya In Anotha Life, Brotha !