Eu fui 2015

2015

Por: Mauricio Lahan Jr

Foi!

Está quase no fim. Um ano inteiro. Um ciclo inteiro.

Começou em Brasília, no Planalto Central. Terra de Renato. Um ano que encontrei força e determinação para militar. Para lutar por aquilo que acredito. Para sentir o vazio quando percebi que A causa ficou em segundo plano.

Foram tantas amizades novas. Algumas com raízes profundas, outras tantas banais. Uma antiga, em especial, quebrou “sabendo-se lá” quando vai se concertar.

Foi o ano para um novo grande Amor! Daqueles de filmes, novelas ou romances literários. Quase platônico, quase impossível. Que terminou em dor. Mais para o lado de lá do que para o lado de cá. Mas não foi apenas um Amor. Houve mais. Um antigo se apresentou como novo. Morreu antes de renascer e de euforia tornou-se silêncio.

Yeah, I’m a lucky man, to count on both hands the ones I love

Houve um projeto que se concretizou. Estou formado! Professor. Viu, eu consegui. Mas ainda não acabou. Outro projeto começou. Espero que ao fim do próximo ano possa escrever “Agora comecei o Mestrado”. Também espero que ai de cima você esteja feliz.

Se existe algo que gostaria de manter para o próximo ano são as mudanças. Constantes e drásticas. Mudanças ao meu redor. Sobre as coisas, as pessoas. Sobre mim mesmo. Mudanças internas.

Eu odeio as mudanças.

Mas minha barba cresceu e “No espelho essa cara já não é minha“. Isso deve ser algo bom afinal.

And so Sally can wait
She knows it’s too late
As we’re walking on by
Her soul slides away
“But don’t look back in anger!”
I heard you say

asasasasa

 

Anúncios

Sobre minha Cidade

xaxaxaxaxa

Por: Mauricio Lahan Jr

Ahh São Paulo!

Por que correr tanto? O que acontece com você? Sempre preocupada com o seu trabalho, querendo mais e mais ganhar promoções! E suas crianças? Todas aquelas que estão sobre seus cuidados. Por qual motivo você se esqueceu delas?

Minha querida, pare de olhar tanto para fora! Veja como é lindo tudo aquilo que foi construído aqui, dentro de você. Feito com muito esforço por nós. Foram tantos que vieram de muito longe ver todas as coisas boas que ouviram sobre você, e quando aqui chegam são expulsos, explorados e mal tratados.

Ahh São Paulo!

Não faz assim com seus filhos. Cuide bem da saúde deles. Preste atenção em seus estudos. E por favor, pare de ficar escolhendo qual é o seu preferido. Não é justo mimar aquele que puxa seu saco e que você acha mais bonitinho só por que ele teve “Sucesso” na vida e se tornou um grande empresário.

Tente ser mais Humana e menos Exata! As vezes quando a gente grita, quebra e faz bagunça é por que precisamos de atenção. Precisamos de cuidados que só você pode nos dar. Não precisa chamar aquela Babá. Ela bate em nós! Você não acredita, acha que é frescura e pirraça nossa. Mas é verdade! Ela nos bate com cassetetes, gás e bala de borracha. Isso magoa e nos machuca. Faz a gente ter vontade de fugir de casa.

Ahh São Paulo!

Eu sonho em um dia fazer perceber que o seu corpo não é feito de grandes construções, arranha-céus e obras. Nem mesmo seus bancos ou industrias são tuas riquezas. Você é feita e construída pelo seu povo e sua riqueza está na vasta cultura de misturas que temos aqui.

Espero, de verdade, que um dia a gente possa crescer. E neste dia não vamos aceitar mais a cinta na sua mão, pois vamos desejar construir nosso próprio futuro e fazer de você uma cidade com a nossa cara.

Se é para ter Amor que seja menos I Love  e mais Eu Amo São Paulo!

~~

asasasasa